Em um mercado que sempre foi pautado por concorrências de preços, condições de pagamento, mix de produtos e qualidade, o conceito de engajamento é relativamente novo e muitas empresas ainda não avaliam como uma métrica importante dentro da operação.

A busca pelo melhor ROI (Retorno sobre o Investimento) poderia ser agregada a busca do melhor ROE (Retorno sobre o Engajamento)já que pessoas engajadas, que se identificam com uma marca, tem uma tendência muito maior a consumir seus produtos  do que as não engajadas.

De acordo com um estudo feito em Harvard “Para qualquer tipo de empresa, um cliente totalmente envolvido tem um desempenho 23% melhor do que o cliente médio em termos de participação nos gastos, rentabilidade, receita e crescimento da relação.”

Empresas sempre buscaram a fidelidade de seus clientes, mas hoje, no mundo globalizado em que vivemos, com tanta facilidade de acesso a marcas e produtos , este é um conceito que está caindo por terra. Independente de ser exclusivo ou não, o importante é ter em mente que os clientes possuem diversas opções e que, para “ganhar essa disputa” sua marca precisa conseguir destaque no “coração” deste cliente. Isso mesmo, no coração! Além das questão custo-benefício, as pessoas tem, cada vez mais, a tendência de escolherem as marcas que lhe trazem maior valor agregado.

Pensando neste cenário, que tal responder algumas perguntinhas para avaliar se suas ações estão contribuindo para despertar o engajamento do público com sua marca… Vamos lá:

1. Confiança – Qual o nível de confiabilidade dos clientes em sua marca? Eles o apontam como referência?

2. Integridade – Seus clientes recebem de fato, toda a atenção que merecem?

3. Orgulho – Sua marca tem “a cara” de seus clientes?

4. Paixão – Existem manifestações positivas sendo feitas espontaneamente em relação a sua marca nas redes socias?

Recentemente lí em artigo do Carlos Merigo que dizia “Tem gente vendendo engajamento como número de fãs numa página de Facebook ou followers no Twitter. Calma, né? Engajamento é algo que é constante. A pessoa querer conversar e manter contato com você (ou a marca) é uma predisposição ao engajamento mas não o engajamento em si. Você não tem nenhum relacionamento com ela ainda. Ser Fã no Facebook não é engajamento.”

Assim, o engajamento está intimamente ligado a CAUSA(motivo). Quando uma campanha, movimento, promoção tem uma CAUSA clara e concreta, as pessoas que se identificam com esta CAUSA se engajam naturalmente. Um grande exemplo foi o que aconteceu recentemente no Brasil, quando milhares de pessoas, em prol de uma causa, se movimentaram, se engajaram e promoveram as maiores manifestações populares da história do nosso país.

Por isso, pense bem ao definir os objetivos de suas ações e lembre-se de que nós queremos que os clientes sejam  ”os advogados da nossa marca” e que  TODO ADVOGADO PRECISA DE UMA BOA CAUSA!